De copas, de paus, de diamantes ou de espadas, um “ás” é um substantivo!

Toda a gente tem um ódio de estimação. Uns reconhecem-no outros não. Aqui na Oficina há um pequeno ódio de estimação que decidimos combater quase como uma cruzada. Vocês até já devem saber qual é…

De copas, de paus, de diamantes ou de espadas, um ás é um substantivo! Se não quiserem o exemplo das cartas, pode ser do futebol ou do volante, mas por favor, antes que este erro se fossilize ainda mais, lembrem-se que o uso dos acentos agudo e grave faz toda a diferença! Com o acento agudo temos um nome comum, que nos remete para algo ou alguém com qualidades excepcionais, porém, se lhe colocamos um acento grave (o que é mais comum e usual na língua portuguesa) temos uma contração da preposição “a” com o artigo definido feminino plural “as”.

É preciso saber, mas para corrigir este erro é preciso querer!

“À” e “Há” (e o equilíbrio entre o digital e o analógico…)

Em português é frequente encontrarmos erros no uso de “à” e “há”. Sabemos que num caso estamos perante uma contração entre uma preposição e um artigo e, no outro, estamos perante o presente do verbo haver. No entanto, aproveitamos esta menção gramatical para nos posicionarmos numa posição de equilibrio entre técnicas de estudo. Não podemos esquecer as “velhinhas” ferramentas didáticas tão úteis em qualquer processo de ensino/aprendizagem. Como tal, propomos uns “hashtags” que lembram a importância dos esquemas, da caligrafia e de um uso equilibrado entre o mundo digital e o mundo analógico.

#vivaesquemas #vivacaligrafia #equilíbrioanalógicoedigital

“À” e “Há” (e o equilíbrio entre o digital e o analógico…)