“Tão perto e tão longe” (entrevista à professora Concha López Jambrina)

Uma grande amiga da “Oficina”, divulga a língua e cultura da lusofonia na comunidade autónoma espanhola de Castela e Leão com toda a elegância e dinamismo que a caracterizam. Eis uma excelente entrevista a Concha López Jambrina.

Concha López Jambrina – Professora de Português

“O Labirinto da Saudade” – Uma viagem única pela mente de um dos mais brilhantes intelectuais de sempre da língua portuguesa

Tentar “dissecar” saudade sem entrar na mente brilhante de Eduardo Lourenço é, simplesmente, impossível… Obrigatório este “O Labirinto da Saudade” de Miguel Gonçalves.

Sinopse:

Miguel Gonçalves Mendes (“José e Pilar”) adapta ao cinema uma das obras mais lúcidas da cultura portuguesa – “O Labirinto da Saudade” de Eduardo Lourenço – numa viagem única pelo interior de uma mente brilhante. Aos 94 anos, o escritor e filósofo Eduardo Lourenço projeta pelos espaços da sua memória as perguntas que até hoje nele perduram. Que traumas nos definiram enquanto povo? Quem somos? O que fizemos? Que atrocidades cometemos? Quais os caminhos que podemos seguir? Estas questões são o ponto de partida para “O Labirinto da Saudade”, um filme sobre uma “nação condenada desde a sua origem a esgotar-se em sonhos maiores do que ela própria”, mas também a celebração da vida e obra de um dos maiores autores da cultura Portuguesa. Narrado e protagonizado pelo próprio Eduardo Lourenço, o documentário percorre os corredores da sua memória e da história de Portugal.

Os alunos de português duplicam na comunidade autónoma da Extremadura

Calhou ao nosso Adolfo Rodríguez Fernández, colaborador da “Oficina”, falar sobre o assunto, mas o mérito deste aumento deve-se a todos os que, todos os dias, divulgam e promovem a língua portuguesa na Extremadura… há já várias gerações! Parabéns a todos! A “Oficina” cá está para apoiar!

Os alunos de português duplicam na região

“El hilo del abalorio” de Mia Couto (“Le Tour 1987”)

O jovem livreiro e editor Mario Quintana (sim, homónimo do grande, e saudoso, poeta brasileiro!) prenda o leitor em espanhol com a publicação desta tradução de 29 contos unidos por um fio. Da autoria do escritor moçambicano Mia Couto, sem dúvida um dos autores mais aclamados de língua portuguesa, galardoado com o Prémio Camões, esta compilação de contos é o regresso ao seu género de eleição, o conto, unindo desta maneira uma bela cadeia de histórias a meias entre um mundo sórdido e absurdo.

Podemos encontrar este “El hilo del abalorio” na elegante coleção “Champs-Élysés” da editorial “Le Tour 1987”, traduzido para espanhol por Ángel Manuel Gómez Espada. A não perder!

“El hilo del abalorio” – Mia Couto

Encontro com o escritor David Machado (21/III/2018), dinamizado pelo IES Rodríguez Moñino de Badajoz

Mais uma boa notícia que nos orgulhamos de apoiar e divulgar. O conhecido escritor português David Machado (Prémio União Europeia para a Literatura 2015) vem até Badajoz para um “encontro literário” com os alunos de língua portuguesa do IES Rodríguez Moñino. No entanto, quem tiver interesse em assistir pode entrar em contacto com a comissão organizadora. 

“Os Sabores das Ervas Aromáticas na Gastronomia Portuguesa” nas “XI Jornadas de Língua e Cultura Lusófona” da APPEX

A Elsa Lopes esteve hoje, em Mérida, nas “XI Jornadas da APPEX de Língua e Cultura Lusófona”, a falar sobre os sabores das ervas aromáticas na gastronomia portuguesa. Sem dúvida, uma iniciativa de altíssima qualidade dinamizada pela Associação de Professores de Português da Extremadura! À APPEX, ao CPR de Mérida, a todas as instituições envolvidas e a todos os participantes deste evento, o nosso muito obrigado!

XI Jornada de Lengua y Cultura Lusófona (Organização da APPEX)

No próximo dia 28 de outubro, a nossa colaboradora Elsa Lopes vai dar um “cheirinho” na “XI Jornada de Língua e Cultura Lusófona”, organizada pela Associação de Professores de Português da Extremadura (APPEX). Se estiverem por Mérida, ou lá quiserem dar um saltinho, esta iniciativa, “Comer e falar é só começar”, tal como todo o programa, promete!

A fertilidade da língua portuguesa e dos campos do Mondego (excerto de “Encontros Marcados” de Gonçalo Cadilhe)

O escritor viajante, Gonçalo Cadilhe, explica melhor como sente a língua portuguesa e o rio que corre no fundo da sua rua, o Mondego:
“A ideia de Pessoa, o português como elemento definidor de pátria, que tantas vezes me iria emocionar na vida que eu levaria no futuro – em Goa, em Malaca, no Brasil, em África, até em resquícios de palavras nas Molucas -, tinha uma coluna vertebral: esse rio Mondego desde sempre habitado pela poesia e prosa que fixaram a língua, que a construíram. Era um monumento à ideia de nacionalidade que era não de mármore nem de granito, que não era civil nem religioso, não era gótico nem Estado Novo, não tinha conotações de qualquer tipo. Era um monumento líquido, claro e transparente, intemporal, vivo, cantante. O rio a que os romanos chamavam Munda, “puro”, o rio que corre no fundo da minha rua, oferece a Portugal o centro da língua portuguesa e, ao dividi-la e espalhá-la pelo mundo, define-a como um só território. O todo acontece porque existem as partes.” – Gonçalo Cadilhe, in “Encontros Marcados”, p.145