Revista “Devir” (Editora Licorne)

A Oficina pode, de vez em quando, estar desarrumada, porém nunca perde os cantos à casa. Sabemos muito bem a estante especial onde guardamos os cinco números da “Devir – Revista Ibero-Americana de Cultura”, essa revista de excelência dirigida por Ruy Ventura e Nuno Matos Duarte, publicada pela Editora Licorne.
Enquanto aguardamos pelo sexto número, aproveitamos para reler estas cinco edições que o antecedem.

“Morrer na praia” – Expressão idiomática

A “Oficina da Língua Portuguesa” não “nadou” tanto para “morrer na praia”. O mais difícil já se conseguiu, isto é, criar este projeto e pô-lo a “andar”. E para recordar isso, recorremos ao excelente trabalho de Sofia Rente e de Luís Prina no livro “Expressões Idiomáticas Ilustradas” publicado pela Lidel em 2013. Eis um recurso a ter em conta para a divulgação da língua de Camões!

Sofia Rente (ilustrações Luís Rente), “Expressões Idiomáticas Ilustradas”, Lisboa, Lidel, 2013, p.89.

 

Edição bilingue de “A Semente na Neve” de Ángel Campos Pámpano apresentada no MEIAC de Badajoz

No próximo dia 19 de fevereiro, às 18h, apresentar-se-á no MEIAC de Badajoz, numa cerimónia de homenagem ao décimo aniversário da morte do poeta “sanvicenteño”, a edição bilingue de “La semilla en la nieve” de Ángel Campos Pámpano.

A presente edição conta com uma tradução do colaborador da “Oficina” Luis Leal e com a revisão de outro colaborar deste projeto, Pedro L. Cuadrado.

Com o selo editorial da “Editora Regional de Extremadura”, esta é uma das obras de referência de Ángel Campos Pámpano, contando nesta edição bilingue com um prólogo da autoria de Nuno Júdice.

“La semilla en la nieve/A semente na neve” – Ángel Campos (trad. Luis Leal)

Apresentação de Antonio Sáez Delgado na Aula de Poesía Díez-Canedo

Antonio Sáez Delgado é um dos mais importantes divulgadores da língua e da cultura portuguesa no espaço da “hispanidade” (e não só). Para além das suas facetas como académico e tradutor literário, Antonio é um reconhecido poeta com largos anos de versos às costas entre Portugal e Espanha. Amanhã, na Aula de Poesia Díez-Canedo de Badajoz, poderemos, na primeira pessoa, ouvi-lo a ler-nos e a falar-nos sobre a sua faceta lírica como poucos podem e conseguem!

A não perder!

Os alunos de português duplicam na comunidade autónoma da Extremadura

Calhou ao nosso Adolfo Rodríguez Fernández, colaborador da “Oficina”, falar sobre o assunto, mas o mérito deste aumento deve-se a todos os que, todos os dias, divulgam e promovem a língua portuguesa na Extremadura… há já várias gerações! Parabéns a todos! A “Oficina” cá está para apoiar!

Os alunos de português duplicam na região

“El hilo del abalorio” de Mia Couto (“Le Tour 1987”)

O jovem livreiro e editor Mario Quintana (sim, homónimo do grande, e saudoso, poeta brasileiro!) prenda o leitor em espanhol com a publicação desta tradução de 29 contos unidos por um fio. Da autoria do escritor moçambicano Mia Couto, sem dúvida um dos autores mais aclamados de língua portuguesa, galardoado com o Prémio Camões, esta compilação de contos é o regresso ao seu género de eleição, o conto, unindo desta maneira uma bela cadeia de histórias a meias entre um mundo sórdido e absurdo.

Podemos encontrar este “El hilo del abalorio” na elegante coleção “Champs-Élysés” da editorial “Le Tour 1987”, traduzido para espanhol por Ángel Manuel Gómez Espada. A não perder!

“El hilo del abalorio” – Mia Couto

Luis Leal, colaborador da OLP, celebra o “Dia Mundial da Poesia” com a Biblioteca Pública de Elvas

Luis Leal, colaborador do nosso projeto, celebrou o “Dia Mundial da Poesia” com uma instituição de enorme importância cultural na “rai(y)a”, a Biblioteca Pública de Elvas.

Citando o nosso colaborador, «Ali tenho duas coisas que me fascinam. Um espólio riquíssimo de serviço público e uma sala, como a “Públia Hortência” (à qual dedico este “Despojos de Alexandria”), que me fazem dar razão a Borges: “Siempre imaginé que el Paraíso sería algún tipo de biblioteca.”. »

Fazemos das suas palavras as nossas palavras e partilhamos convosco este recurso publicado pela Biblioteca Pública de Elvas.

“Despojos de Alexandria” – Luis Leal

“Oficina da Língua Portuguesa” apresenta o seu projeto editorial em espanhol e galego

No passado sábado, dia 18 de março, apresentou-se na Biblioteca Pública Bartolomé J. Gallardo de Badajoz, os livros “Habitar” e “Égloga Perdida” de José Antonio Santiago e José Luis Calvo, respectivamente. Ambos títulos inserem-se na coleção “Elsa Lopes” do nosso projeto editorial e de divulgação cultural.

Apesar de serem dois títulos em línguas irmãs do português (espanhol e galego), os responsáveis e colaboradores do projeto “Oficina da Língua Portuguesa”, aproveitaram o evento para anunciarem a vontade de iniciar o projeto editorial afim à “Oficina” mas independente a nível linguístico e de conteúdos.

Graças a Pessoa sabemos bem que “vale a pena”, pois acreditamos que a “nossa alma não é pequena”!

O nosso bem-haja a todos os assistentes e amigos que nos ajudam a acreditar neste empreendimento que nasceu como “Oficina da Língua Portuguesa”, mas que, pouco a pouco, quer assumir um papel de divulgação cultural de âmbito ibero-americano.