Publicação de “Habitar” de José Antonio Santiago

EPSON MFP image

“Habitar” – José Antonio Santiago

A “Oficina da Língua Portuguesa” orgulha-se de colaborar na divulgação e publicação editorial de diversos géneros e sem exclusividade linguística. É o caso deste Habitar de José Antonio Santiago (filósofo, poeta e tradutor), um ensaio sobre arte poética, e não só, ao qual a lírica portuguesa não se encontra alheia. Leia-se a seguinte sinopse:

Os dois textos que compõem este volume encontram-se presididos por uma ideia comum. A imprescindível necessidade humana de “territorializar” e “habitualizar” toda a sua existência. Desde a própria linguagem (“Poetizar ou a necessária superstição da linguagem”), até à sua mais própria “quotidianidade”(“Casar a casa”), o humano encontra-se marcado biológica e biograficamente pela sinalização espacial e temporal. Estar marcado significa também – por isso mesmo – que em toda cultura e situação histórica, o ser humano precisa de selar o seu espaço e o seu tempo: vestígios, ciclos, palavras ou datas são os limites adaptativos e de sentido desde o qual todo habitar humano pode, dessa forma, projetar-se ou restituir a sua própria condição.