Edição bilingue de “A Semente na Neve” de Ángel Campos Pámpano apresentada no MEIAC de Badajoz

No próximo dia 19 de fevereiro, às 18h, apresentar-se-á no MEIAC de Badajoz, numa cerimónia de homenagem ao décimo aniversário da morte do poeta “sanvicenteño”, a edição bilingue de “La semilla en la nieve” de Ángel Campos Pámpano.

A presente edição conta com uma tradução do colaborador da “Oficina” Luis Leal e com a revisão de outro colaborar deste projeto, Pedro L. Cuadrado.

Com o selo editorial da “Editora Regional de Extremadura”, esta é uma das obras de referência de Ángel Campos Pámpano, contando nesta edição bilingue com um prólogo da autoria de Nuno Júdice.

“La semilla en la nieve/A semente na neve” – Ángel Campos (trad. Luis Leal)

Apresentação de Antonio Sáez Delgado na Aula de Poesía Díez-Canedo

Antonio Sáez Delgado é um dos mais importantes divulgadores da língua e da cultura portuguesa no espaço da “hispanidade” (e não só). Para além das suas facetas como académico e tradutor literário, Antonio é um reconhecido poeta com largos anos de versos às costas entre Portugal e Espanha. Amanhã, na Aula de Poesia Díez-Canedo de Badajoz, poderemos, na primeira pessoa, ouvi-lo a ler-nos e a falar-nos sobre a sua faceta lírica como poucos podem e conseguem!

A não perder!

Divulgação em espanhol: Presentación de “pedal(e)ar” de Luis Leal ( 12 de junio, MEIAC de Badajoz)

Divulgação em espanhol:

Luis Leal, cronista, poeta y dinamizador cultural eborense radicado en España, presenta su nuevo libro de poesía bilingüe pedal(e)ar el día 12 de junio, a las 20:30, en el MEIAC de Badajoz. El acto, incluido en las celebraciones del Día de Portugal, contará con la presentación del profesor, escritor y traductor Antonio Sáez Delgado.

Previamente, a las 20:00, se inaugurará en el MEIAC la exposición de grabados de la reconocida pintora portuguesa Vieira da Silva, inspirados en poemas del poeta francés René Char, en cuya traducción Luis Leal ha colaborado.

Presentación de “pedal(e)ar” de Luis Leal (12 de junio, MEIAC)

Os poemas de Moita Macedo traduzidos para espanhol

“Moita Macedo” por Hugo Beja

Encuadrado dentro de las tendencias informalistas que eran hegemónicas a mediados de los años 70, el trabajo de Moita Macedo tuvo como referentes, entre otros, a Almada Negreiros y a Arturo Bual. Igual que su obra como pintor, su poesía son auténticos cuadros escritos en versos.

“Pintei versos, escrevi quadros.” – Moita Macedo

Descarregue grátis: “Moita Macedo – Poemas traducidos al español”

“Tão perto e tão longe” (entrevista à professora Concha López Jambrina)

Uma grande amiga da “Oficina”, divulga a língua e cultura da lusofonia na comunidade autónoma espanhola de Castela e Leão com toda a elegância e dinamismo que a caracterizam. Eis uma excelente entrevista a Concha López Jambrina.

Concha López Jambrina – Professora de Português

Os alunos de português duplicam na comunidade autónoma da Extremadura

Calhou ao nosso Adolfo Rodríguez Fernández, colaborador da “Oficina”, falar sobre o assunto, mas o mérito deste aumento deve-se a todos os que, todos os dias, divulgam e promovem a língua portuguesa na Extremadura… há já várias gerações! Parabéns a todos! A “Oficina” cá está para apoiar!

Os alunos de português duplicam na região

“El hilo del abalorio” de Mia Couto (“Le Tour 1987”)

O jovem livreiro e editor Mario Quintana (sim, homónimo do grande, e saudoso, poeta brasileiro!) prenda o leitor em espanhol com a publicação desta tradução de 29 contos unidos por um fio. Da autoria do escritor moçambicano Mia Couto, sem dúvida um dos autores mais aclamados de língua portuguesa, galardoado com o Prémio Camões, esta compilação de contos é o regresso ao seu género de eleição, o conto, unindo desta maneira uma bela cadeia de histórias a meias entre um mundo sórdido e absurdo.

Podemos encontrar este “El hilo del abalorio” na elegante coleção “Champs-Élysés” da editorial “Le Tour 1987”, traduzido para espanhol por Ángel Manuel Gómez Espada. A não perder!

“El hilo del abalorio” – Mia Couto

14º Terras sem Sombra, Festival do Baixo Alentejo (Elvas, 19 e 20 de Maio)

José António Falcão, historiador de arte e diretor-geral do “Festival Terras sem Sombra”, a sua equipa e todos os parceiros desta iniciativa, prendam o entorno raiano da cidade de Elvas com este belíssimo programa. 19 e 20 de maio. A não perder!